segunda-feira, 13 de maio de 2013

O crente que não pode imaginar a própria queda em pecado sexual é o que está mais próximo de cair!!!

Quantos crentes que tem um casamento feliz e ajustado ouvem sobre outros que caíram em pecado sexual, ficam quase sempre horrorizados e perplexos. Não podem imaginar como isso pode ter acontecido. E sabem que isso nunca acontecerá com eles. Paulo escreveu (tratando de pecado sexual): “Aquele que pensa estar de pé, veja, não caia”. (1 Cor. 10.12). O crente que não pode imaginar a própria queda em pecado sexual é o que está mais próximo de cair!!!
 
Se você está lendo este artigo apenas para ter uma percepção do porque os outros crentes caem em adultério, cuidado! Você não está imune às tentações. Não existe um estágio no qual os crentes estão fora de perigo. Um casamento feliz não é passaporte para a imunidade às tentações, nem também o tempo prolongado de sua experiência cristã. Se Satanás for bem sucedido em nos prover de uma falsa sensação de segurança, tornamo-nos o seu alvo principal. Temos que olhar com seriedade a realidade da sutileza e da malícia de Satanás. Enquanto tivermos a natureza pecaminosa- campo fértil para a sua exploração, somos capazes de sermos enredados nos mais baixos dos pecados!
Cuidado com a ingenuidade com relacionamentos espirituais!!!
A maioria dos crentes que caem em adultério,  comentem o pecado com outros crentes. Com grande frequência o relacionamento foi desenvolvido a partir daquilo que era considerado apenas como uma amizade espiritual. O fator de atração ao que se tornará “amante” é uma “atração espiritual”. Os crentes brincam com esse conceito quando falam de “amizades espirituais”.
Um caso típico que vou contar aqui é para se meditado!
“Joana” era casada com um marido alcoólatra, “Severino” era o seu Pastor.
“Fiquei chocado quando verifiquei, um dia, que o Pastor Severino, o homem que havia sido o instrumento de sua conversão, estava cheio de problemas”. Ele não pedia piedade, na medida em que os detalhes de seu envolvimento eram apresentados. Ele queria que Joana soubesse que a presença dela, nas sessões semanais de aconselhamento, o havia ajudado tanto quanto aparentavam ter auxiliado a ela. Ela ficou feliz em saber que isso havia acontecido e prometeu orar também por ele. Isso fez com que a dívida que acreditava ter para com ele ficasse um pouco menor. Ela também ficou surpresa quando verificou como ela ficava feliz só em estar falando com ele e como ela podia recíprocar, dando-lhe um pouco da força que havia recebido dele.
Aquilo que havia começado com um grito de auxílio e uma demonstração de dor, tornou-se um derramar de dificuldades mútuas e uma fonte de encorajamento em oração. Um homem e uma mulher encontrando forças um no outro para confrontar os dias difíceis. A gratidão e respeito transformaram-se em amizade, e a amizade, por sua vez, em afeição!”
Os crentes podem ser ingênuos quando se trata de relacionamentos. Eles confiam nas declarações um do outro! Como Exemplo vejamos que “Tadeu diz a Maria”que a sua afeição por ela é meramente fraternal... "Maria" assegura a "Tadeu" que a sua amizade com ele não afeta o relacionamento que tem com o seu marido!. Ambos podem acreditar que o que estão dizendo é a verdade. Ambos estão sujeitos a estarem sendo enganados e enganando!. ...
Que o Senhor nos ensine na caminhada da vida!!!!! Extraído do   Livro: Adultério na Igreja, uma abordagem preventiva por Ray Stephens. Na fé Letícia Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...